História da literatura erótica

eros
Eros

A longa jornada da palavra erótica, para nomear os mundos da sexualidade dividida, para estabelecer e governar poderes nas relações entre os sexos, para projetar caminhos de libertação da energia e inteligência humanas, começa com a história da literatura, oral e escrita. Inserida em caminhos rituais e mágicos, a função conceitual e linguística do poder de pedra do falo sagrado, o menir, o lingam, o cetro, desenvolve lentamente sua complexa relação com o discurso do prazer, começando na fase histórica do helenismo para se libertar da subalternidade às restrições exclusivas da procriação. Na cultura grega clássica, como diz Diotima no Simpósio de Platão, Eros é filho de Poros (compra) e Penia (pobreza): o desejo está condenado à miséria, é insaciável. Nas festas dionisíacas, das quais nascem a comédia ática e a novela milesie – as primeiras narrativas eróticas não rituais do Ocidente -, a tensão ao prazer torna-se uma afirmação livre da sensualidade, de um erotismo “solar” (Michel Onfray, Theory of the Love Body, 2000), materialista (de Demócrito a Aristipo de Cirene, a Epicuro), alheia às sublimações éticas do Platonismo.

Continue lendo “História da literatura erótica”

Sexo, Eros e Literatura

Eros e literatura na antiguidade

Podemos dizer que o sexo sempre foi um assunto favorito por escritores desde o alvorecer da humanidade. O primeiro romance erótico existente pode ser rastreado no antigo Egito, onde a sexualidade era levada em grande consideração: um exemplo é o papiro erótico, onde as imagens explícitas são acompanhadas por texto escrito. Continue lendo “Sexo, Eros e Literatura”